quarta-feira, 20 de maio de 2015

Cada momento é um porque e para que. Vem de algo vivido e compõe o que viverá. ninguém vem e vai a toa.. ciclos se fecham.. outros de abrem.. e o tempo diz o que lhe convier.. e o que não fez sentido ontem vira solução do amanhã.. seguindo, vivemos.. e o caminho vai mostrando outras paisagens.. outros ângulos.. utras verdades...

sábado, 16 de maio de 2015

Sim... Entendo. E acolherei sempre que precisar.. Sim, estou numa fase nova de vida... A beira dos 34.. Com muitas idéias... Sentimentos antigos e novas sensações... Descobrindo que dá para ser mais... Para ser múltipla e se quiser vez em quando, ser nada também... Descobrindo que posso me cobrar menos e gozar mais...Que posso aprender muito e dividir mais ainda... Que minha essência tá sempre aqui comigo. Mesmo que por vezes esteja empoeirada ou coberta de insatisfações.. Que podemos mudar de opinião e julgar vai parecendo ridículo com o passar dos anos... Escutar Legião é eterno e almoços de 5h duram para sempre... (para uma amiga, depois de ser chamada de doula de novos processos. Gratidão)

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Muitas...

Dormi comigo e acordei com várias de mim... uma gostei muito, outra estranhei, ainda teve outra que me surpreendeu, ela era incrível.. mas teve uma que me deu medo.. e agora? Como caberão todas na minha cama? Nos meus sonhos, planos, relacionamentos, vida inteira?

terça-feira, 6 de maio de 2014

E então eu outono...

E então eu outono, deixo ir o que não serve, deixo as folhas secas serem levadas... isso dói.. mas é necessário.. alguns sentimentos se transformam, alguns livros são passados, algumas roupas deixadas para trás.. e me desnudando dessas couraças que já são pele, nervos e alma.. mesmo com toda essa dor estranha que se mistura com alívio e leveza.. abro espaço para uma nova eu... ainda sensível, ainda insegura, ainda cheia de incertezas impossíveis de se afastarem de mim.. mas me lanço e me olho no espelho e gosto do que vejo.. nunca tinha reparado nesse detalhe dos meus olhos... talvez nunca tenha me olhado com tanta vontade de me ver... E nessa lua nova de outono, as vésperas de renascer, me presenteio com um pouco de mim com café e poesia.

domingo, 4 de maio de 2014

Eu quero dizer um monte de coisas.. mas tenho medo que saia correndo e tudo se perca... aí guardo minha angustias, conflitos, pensamentos esquisitos só comigo.. mas aí tem dias que tudo isso se explode em choro.. um choro daqueles que não dá p explicar o porque.. um sentimento estranho.. uma falta de algo que não se sabe o que é.. uma saudade de algo que não se sabe explicar.. uma angustia no peito... aí toma-se um café preto e aquecendo um pouco a vida, se consegue escutar música e escrever... uma dúvida.. se lá ou cá.. se um inteiro ou dois meios... se presente distante ou ausente perto...

terça-feira, 15 de abril de 2014

E quando você começa a repensar um monte de coisas na sua vida? E quando você fica na dúvida de um monte de coisas na sua vida? E quando você não sabe mais se vale a pena comprar um carro ou andar a pé/taxi/ônibus? E quando você não sabe se aceita o novo ou entruca no velho? E quando você não sabe se compra um AP ou uma mobilete? E quando você não sabe se faz dieta ou come chocolate? E quando você não sabe se faz a tatuagem na panturrilha ou nas costas? E quando você não sabe se é chantagem emocional ou dor de verdade? E quando você não sabe se dorme ou corre? E quando você não sabe se manda .... ou .....?

sexta-feira, 4 de abril de 2014

É sexta!

Caraminholando na sexta, misturando risos com leveza, unhas devidamente vermelhas, um pouquinho de molho italiano (combinando com as unhas) e vinho para aromar. Preparando a alma para logo mais, com uma lua que se diz nova, mesmo sendo mais antiga que meus ancestrais.. e o gosto de hortelã depois do manjar, o barulho da impressora a ressoar, e o calor de verão (ou de vinho) se misturando com o ar- condicionado, impulsionado, autenticado, pronto para gelar. É sexta! Mais nada a declarar.